Misoginia: Este tema vem sendo falado e pode ser cobrado na sua prova.

Misoginia

Misoginia: Você sabe o que é ? Se atente pois as discussões sobre direitos e garantias entre outros pontos vem crescendo cada dia mais.

E o tema que abordaremos para atualidades hoje é Misoginia! Então se prepare que vamos trazer informações para você saber tudo a respeito e não ser pego de surpresa na hora da sua prova de Enem ou vestibular.

As discussões sobre os direitos, a proteção e a representação das minorias na sociedade estão aumentando, revelando novos conceitos e nomes que surgiram para explicar as raízes do tratamento desigual de certas pessoas. No que diz respeito à questão de gênero, misoginia é um termo do grego antigo, e seu significado é conceituar a relação prejudicial entre homens e mulheres.

A ascensão do ativismo virtual levou a um aumento nas atividades de discurso e mobilização de movimentos sociais como o feminismo. Nesse caso, você provavelmente já encontrou o termo “misoginia”, mas sabe realmente o que é misoginia?

Origem da Misoginia

Em uma breve análise dos materiais artísticos e intelectuais produzidos ao longo dos anos, pode-se observar a poderosa influência do feminismo, sexismo e sexismo na civilização ocidental. Como o historiador e professor Leandro Karnal (Leandro Karnal) interrompeu, no discurso do Dia da Mulher de 2017, Willendorf e a Vênus de Vênus de Milo A estatueta ou pintura de Botticelli “Vênus e Marte” mostra que o artista superestimou o corpo e a estética. Feminização é uma ideia apresentada na antiguidade.

Na Grécia antiga, a base social, política e econômica do Ocidente foi estabelecida, e seu sistema social e político deu às mulheres um status secundário. No tempo de Homero, a unidade básica da sociedade grega eram os genos. A característica desse sistema familiar era dar à família o sustentador (patriarca) o maior poder. Quando ele morreu, seu poder político, social, religioso e econômico passou para ele. Seu filho mais velho. velho.

No entanto, no final desse período, a população cresceu enquanto a economia (principalmente a agricultura) diminuía. Como resultado, a desintegração das comunidades gentílicas e o surgimento de estados urbanos (ou metrópoles gregas) reafirmaram a ideia de soberania masculina.

Nesse caso, surgiu um termo que definiria a base psicológica do comportamento masculino prejudicial às mulheres. Derivado da combinação entre as palavras gregas “miseo” e “gyne”, o termo “misoginia” é usado para definir aversão, aversão ou desprezo pelas mulheres e pelos valores femininos.

Diferença entre Misoginia x machismo x sexismo

Existem três conceitos inter-relacionados que sustentam a ocorrência de violência contra a mulher. A misoginia é uma espécie de nojo mórbido para com as mulheres, transformado em hábitos comportamentais masculinos, cujas visões e atitudes visam estabelecer e manter a desigualdade e a hierarquia de gênero, confirmando a superioridade do poder e da imagem masculina. crença. Proclamado pelo chauvinismo masculino.

Por outro lado, o sexismo pode ser definido como uma série de atitudes discriminatórias e objetivações sexuais, com o objetivo de estabelecer o papel social que cada gênero deve desempenhar, que são estereótipos sobre como falar, agir, pensar e até se vestir.

Misoginia: Homens x Mulheres

A estimulação constante do comportamento estereotipado afeta homens e mulheres, porque requer amostras de masculinidade cruel para com os homens e alimentação em grande escala das mulheres. Quando nenhum comportamento é esperado, a violência vai explodir em um grau grave, começando com piadas degradantes, assédio, abuso, estupro, até o clímax do assassinato de mulheres.

A origem do antifeminismo no pensamento ocidental tem causado a banalização da violência contra as mulheres, que permeia todos os aspectos da vida das mulheres, como aspectos sociais, psicológicos, econômicos e políticos, tornando difícil para as pessoas determinarem as características prejudiciais mais sutis.

Desse modo, homens e mulheres copiam quase inconscientemente comportamentos e expressões sexistas, enquanto as mulheres costumam adotar atitudes negativas óbvias como mecanismo de sobrevivência da cultura opressora, o que não deve ser entendido como uma aceitação da situação que a magoa. Dignidade, mas como mecanismo de defesa e sobrevivência.

No Brasil

Para enfrentar a violência de gênero, a Lei Maria da Penha foi promulgada em 2006 para combater a violência doméstica. Em 2009, a Lei nº 12.015 alterou o Capítulo VI do Código Penal contra a Dignidade e unificou a punição e o ato de assédio em uma única frase. E em 2015, foi definida a Lei nº 1.5104, que tornou o crime de matar mulheres um crime hediondo – Para crimes extremamente graves, a pena é ainda mais severa.

Em 2018, foi aprovada a Lei nº 13.718 sobre o crime de assédio sexual: “Praticar comportamento obsceno na presença de alguém sem o consentimento de ambas as partes com o objetivo de satisfazer os desejos de uma pessoa ou de terceiros” e divulgará o comportamento Concluído como crime. Cenas de estupro, nudez, sexo ou pornografia sem o consentimento da outra parte envolvida.

Embora essas leis possam representar uma grande vitória para a causa das mulheres, a desconstrução dos papéis sociais das mulheres ainda é um trabalho contínuo, o que requer a utilização de programas de educação social para estimular a sociedade a assumir o papel de protagonista na atual hierarquia social. Entre gêneros.

Conquista Feminina

No século 20, Simone de Beauvoir e Betty Friedan apareceram em obras como “Second Sex” e “Female Mystery”, respectivamente, que promoveram a liderança das mulheres Com a criação do movimento dos Estados Unidos, esses movimentos buscaram problematizar a condição da mulher na sociedade. Portanto, a luta pela emancipação, autonomia e liberdade das mulheres começa com a imagem idealizada da mulher e da feminilidade, dos direitos políticos, sociais e econômicos e da igualdade por meio do empoderamento.

Juliana Faria, repórter e criadora do Think Olga, disse: “Mulher capaz é mulher sábia. Ela entende seus direitos, entende o que é opressão e busca soluções”. Dessa forma, as mulheres que defendem o movimento feminista buscam acolher a individualidade das mulheres individualmente e construir alianças entre as diferentes tendências do movimento para continuar promovendo a transformação profunda do nojo feminino coletivo, disseminando os ideais em todas as classes sociais. ideal.

Bom pessoal, este era o tema que queríamos trazer para vocês hoje, sabemos que o tema de Misogenia é algo super importante, rico em conteúdo que certamente irá agregar muito valor na hora da sua prova.

Confira mais conteúdos acessando nosso blog! Espero você.