Como fazer uma boa redação no Enem

redação enem

Como fazer uma boa redação no Enem 2017? Confira dicas para sair bem na redação do ENEM

Cursinho para o Enem

A prioridade de um aluno hoje é como fazer uma boa redação no ENEM? Isso porque, todo mundo sabe que a redação tem um critério diferente das outras provas tanto no vestibular quanto no ENEM. Por isso, é preciso praticar a escrita dentro das normas cultas da nossa língua portuguesa para que se obtenha nota dez.E você pode começar criando uma argumentação diante de um tema proposto, que é o objetivo de uma redação bem feita. A proposta clara e inovadora chama atenção de quem vai analisar o seu texto. Portanto, capriche. Fique por dentro dos assuntos atuais que acontecem no Brasil e no mundo. Leia. Leia muito. Pesquise e explore temas que você não tem tanto conhecimento.

Quanto mais você estuda, mais você está potencializando o seu conhecimento, e conseguirá fazer uma boa redação no ENEM. Se tiver uma ideia, coloque-a no papel. Use rascunho. Ele é um importante aliado na hora da elaboração de um texto. Ao passar a limpo acrescente palavras ou substituas por sinônimos; deixe de fora gírias e abreviações.

Outra coisa que deve ser evitada é não usar figuras históricas a menos que seja indispensável, pois caso você se engane a respeito de alguma informação sobre aquela pessoa você estará prejudicando a verossimilhança do texto.

Evite também, semelhanças com a oralidade. Lembre-se que quando escrevemos uma redação vestibular(especialmente no ENEM) devemos obedecer às normas da língua.  Não use expressões do tipo “eu acho”, “eu penso”.

Sobre a pontuação, cuidado com o excesso de vírgulas. Só as use quando for realmente necessário, pois caso o texto possua pausas desnecessárias, além de comprometer o ritmo e a continuidade do texto, comprometerá também a coerência textual. Caso haja algum diálogo, é ideal o uso dos sinais que o caracterizam: dois pontos e travessão.

Vale ressaltar que, além do ENEM, em vestibulares e concursos, a prova de redação é um grande fator de eliminação e geralmente, exige-se que o candidato produza um texto dissertativo, que nada mais é do que falar sobre. Podem surgir ainda textos narrativos ou descritivos. Esperamos que essas dicas possam te ajudar a fazer uma boa redação no enem. E aí, qual dica você acha a principal? Deixe aqui nos comentários.

[ATUALIZADO 25/01/2017] O Ministro da Educação Mendonça Filho realizou uma coletiva de imprensa para comunicar qe apenas 77 candidatos atingiram a nota máxima na redação enem.  Os temas de 2016 foram “Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil” e “Caminhos para combater o racismo no Brasil”, na primeira e segunda aplicação respectivamente, por conta das ocupações nas escolas no final do ano.

As notas que receberam nota zero ou que foram anuladas foram 291.806 redações. O maior indice de anulação foi por conta de fuga do tema, contabilizando mais de 46 mil redações. Em segundo lugar, vem o chamado pelo MEC de “parte desconectada”, que significa que dentro da redação do aluno, continha paragrafos que não tinha qualquer ligação com o texto escrito. Em terceiro lugar, veio a cópia de trechos contido no texto base para se fazer a redação. Em quarto lugar, mais de 7 mil foram anuladas por texto insuficiente. E em quinto lugar, por ferirem os direitos humanos, foram quase 5 mil textos.

No total fizeram a redação no Enem 2016 mais de 6 milhões e 300 mil estudantes.

[FIM DA ATUALIZAÇÃO]

[Atualizado] A segunda aplicação do Enem 2016 totalizou abstenção de 30,4% dos candidatos inscritos e registrou 11 casos de descumprimento das regras gerais do edital. As provas ocorreram no último final de semana, 3 e 4 de dezembro, devido às ocupações em novembro nas escolas e instituições de ensino superior que seriam aplicadas as avaliações. Os protestos são referentes à resistência contra a reforma do ensino médio e a Proposta de Emenda à Constituição – PEC 241/55. Além de alguns candidatos terem sidos impossibilitados de realizar as provas, em decorrência da falta de energia em algumas instituições.

O Inep investiu R$ 10,5 milhões na segunda aplicação do Enem 2016 para que 273.524 inscritos tivessem o direito de participar das provas neste final de semana em decorrência das ocupações e 4.133 inscritos que não puderam realizar prova em novembro devido a interrupção de energia elétrica nas instituições que seriam aplicadas as provas. Nesta aplicação, foram registradas apenas 11 eliminações, devido ao uso de equipamentos proibídos no edital ou pelo candidato recusar coleta de dado biométrico.

Nesta quarta-feira, 7 de dezembro, o Inep vai divulgar o gabarito oficial dos dos dias de prova. A nova etapa contou com redação que abordou o tema “Caminhos para combater o racismo no Brasil”. O resultado do Enem está previsto para ser divulgado no dia 19 de janeiro de 2017.

O Enem é utilizado pelo Ministério da Educação (MEC) para analisar o desempenho do estudante no final do ensino médio em todo o Brasil. Mas com a criação do Sistema de Seleção Unificada (SiSU), em 2010, os candidatos podem ingressar no ensino superior. O pré-requisito para se inscrever no sistema é ter realizado o Enem, além de ter nota de redação acima de zero. Já para os candidatos que desejam adquirir o certificado de conclusão do ensino médio, as notas devem ser superiores a 450 nas quatro provas objetivas e acima de 500 na redação.

O método de correção utilizado pelo SiSU é através da nota de corte, que corresponde a uma pontuação mínima necessária que o estudante deve tirar para entrar no curso que deseja. A nota de corte varia em cada edição, porque leva em conta a concorrência de cada curso e em cada instituição.

Com base na edição de 2015, confira as notas de alguns cursos que são mais disputados:

Medicina na Universidade Federal do Acre (UFAC): 754,90

Direito na Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat): 659,63

Engenharia Civil no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe (IFS): 670,89

Arquitetura e Urbanismo na Universidade Federal do Amapá (Unifap): 670,98

Administração na Universidade Estadual do Piauí (UESPI): 586,15

Engenharia Elétrica na Fundação Universidade Federal do Pampa (Unipampa): 656,96

Odontologia na Universidade Estadual do Piauí (UESPI): 692,88

Relações Internacionais na Universidade Federal do Tocantins (UFT): 657,10

Publicidade e Propaganda na Universidade Federal de Sergipe (UFS): 651,30

Jornalismo na Universidade Federal de Roraima (UFRR): 635,30

Psicologia na Universidade Federal de Roraima (UFRR): 645,36