BNCC Ensino Médio: Veja o documento na íntegra

Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio

A BNCC do ensino médio será debatida em entidades, audiência pública e por meio de consulta pública. A ideia é que até o final do ano a base seja aprovada

exato-banner

• Confira o Documento BNCC do Ensino Médio na íntegra → clique aqui

[ATUALIZADA 03/04/2018] Nesta terça-feira, 03 de abril, o Ministério da Educação irá entregar a última versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do ensino médio ao Conselho Nacional de Educação (CNE). Após a entrega, o documento chega à última etapa de elaboração: discussão e votação do texto pelos conselheiros do CNE.

O presidente do CNE, Eduardo Deschamps, informou que semana que vem os conselheiros irão se reunir para decidir o calendário do processo e afirmou que haverá audiências públicas pelo Brasil.

Depois do debate público, o Conselho votará se aprovam ou não o texto da Base.

[FIM DA ATUALIZAÇÃO]

Até o fim de março, o Ministério da Educação enviará a nova versão do Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do ensino médio ao Conselho Nacional da Educação (CNE). A BNCC vai regular o que deve ser ensinado nas escolas, considerando a reforma do ensino médio aprovada em dezembro de 2017.

Até a aprovação, o assunto terá uma longa jornada, passando por debates e audiências públicas. No entanto, já se observa dois eixos principiais na versão feita pelo MEC:

  1. Somente as matérias de português e matemática serão obrigatórias no ensino médio, o restante será de forma interdisciplinar;
  2. Não haverá orientações detalhadas de habilidades a serem ensinadas nos itinerários informativos proposto na reforma do ensino médio.

Português e Matemática

No fim de fevereiro, em São Paulo, o Ministério da Educação fez uma apresentação aos secretários da Educação e informou que as diretrizes acima estarão no documento que será encaminhado.

No documento explana a intenção do governo em tornar obrigatórias somente as matérias de português e matemática. As outras 12, como química, física, história, sociologia, por exemplo, ficarão em três áreas de conhecimentos: ciências humanas, ciências da natureza e linguagens e suas tecnologias.

De acordo com o presidente da comissão de elaboração da base no CNE, Cesar Callegari, essa forma dá a ideia errada que só a disciplinas de língua portuguesa e matemática são importantes. “E elas não se sustentam sozinhas. As demais disciplinas não são tratadas como componentes curriculares, não há base conceitual. Cria uma imensa instabilidade junto aos professores brasileiros.” afirma o presidente.

Itinerários

Aprovada no ano passado, a reforma do ensino médio prediz que 40% da carga horária seja destinada aos itinerários formativos, são eles:

  • Linguagens e suas tecnologias
  • Matemática e suas tecnologias
  • Ciências da natureza e suas tecnologias
  • Ciências humanas e sociais aplicadas
  • Formação técnica e profissional

Pela reforma, as escolas não são obrigadas a oferecer aos alunos as cinco áreas, mas devem oferecer pelo menos um dos itinerários.

O ministério informou que caberá as redes de ensino definir quais serão as habilidades a serem ensinadas em cada área.

Callegari afirmou que o CNE irá propor uma grande discussão sobre o assunto para depois encaminhas as mudanças ao governo.

A BNCC do ensino médio será debatida em entidades, audiência pública e por meio de consulta pública. A expectativa é que até o final do ano, a base seja aprovada.